100 mil procuram emprego há mais de dois anos no Ceará

100 mil procuram emprego há mais de dois anos no Ceará

PUBLICIDADE
17 maio 2019

FOTO: Divulgação

Com o ritmo ainda lento do crescimento econômica e as sucessivas revisões das previsões para este ano, a taxa de desemprego voltou a crescer. E com ela, o tempo de procura – 100 mil pessoas, 21,4% dos desempregados no Estado, já estão buscando uma vaga de trabalho há mais de dois anos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A maioria (48,6%) demora de um mês a um ano para se inserir no mercado.

 

“Isso faz com que muitas pessoas acabem simplesmente desistindo de conseguir uma recolocação, caindo no que chamamos de desalento”, destaca Mardônio Costa, analista de mercado de trabalho do Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (IDT). No Ceará, 400 mil pessoas já se encontram nessa situação.

 

Diante disso, o mercado de trabalho deve demorar para reagir. Segundo especialistas, o nível de desemprego só deve voltar a patamares aceitáveis em quatro ou cinco anos. A sinalização é do presidente do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Ceará (Ibef), Luiz Antônio Trotta Miranda. “E essa previsão ainda está condicionada à reação da economia. Se as previsões atuais não se cumprirem, isso pode demorar ainda mais”, ressalta Luiz.

 

No Ceará, a taxa de desocupação chegou a 11,4% no primeiro trimestre deste ano, alcançando 467 mil pessoas O presidente do Ibef explica que é natural o aumento do desemprego neste período com o desligamento dos temporários contratados nos últimos meses do ano.

 

“Mas essa queda foi realmente por um desaquecimento da economia. Esperava-se que o mercado fosse absorver uma parte da mão de obra temporária, o que não aconteceu”, pontua Luiz. Ele ainda acrescenta que a previsão inicial era de encerrar 2019 com a taxa de desocupação em 12% em todo o Brasil.

 

Fatores sazonais

 

As contratações temporárias, que historicamente provocam maior taxa de desocupação nos meses seguintes, são consideradas um fator sazonal negativo, de acordo com Mardônio Costa. “Além disso, passadas as festas de Natal e Revéillon, as pessoas começam a procurar emprego novamente, o que também contribui para a elevação”.

 

Nordeste

 

Apesar da situação crítica, o Ceará ainda está em vantagem em relação aos estados vizinhos. No Nordeste, apenas a Paraíba possui taxa de desocupação menor que a cearense (11,1%). Na Bahia, o índice chega a 18,3%. A média nacional atingiu 12,7%.

 

Luiz Antônio pontua que, ainda assim, os resultados são preocupantes. “Porque quando a gente compara com outros estados da região Sul, por exemplo, vemos que o Ceará ainda está bem ruim. Em Santa Catarina, essa taxa é de apenas 7,2%”, afirma o presidente do Ibef.

 

Setores

 

O comércio ainda é o setor que mais emprega no Estado. Entre janeiro e março, 768 mil pessoas trabalhavam neste segmento, com salários médios de R$1.281.A administração pública é o segundo setor que mais possui empregados: 606 mil. Neste caso, a média salarial sobe para R$2.723.

 

Mardônio ainda analisa a situação dos informais, que acabam buscando no emprego sem carteira assinada ou no negócios próprio sem CNPJ uma forma de sobreviver. Considerando trabalhadores do setor privado, domésticos e empreendedores, a informalidade no Ceará alcança 1,8 milhão de pessoas. “É cerca de 55% do total de pessoas que têm uma ocupação”, dispara.

 

Fonte: Diário do Nordeste

Comentários