Agosto foi o mês mais quente desde 1880, diz relatório americano

Agosto foi o mês mais quente desde 1880, diz relatório americano

PUBLICIDADE
19 set 2014
A temperatura mundial de agosto de 2014 foi de 16,35º C, ou seja, 0,75 grau Celsius acima da média mundial de 15,6°C. (Foto: Dulgaçãoiv)

A temperatura mundial de agosto de 2014 foi de 16,35º C, ou seja, 0,75 grau Celsius acima da média mundial de 15,6°C. (Foto: Divulgação)

O mês passado foi o agosto mais quente de que se tem registro e 2014 pode se tornar o ano mais quente desde 1880, anunciou nesta quinta-feira, 18, a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) dos Estados Unidos, com base na média mundial de temperaturas sobre as superfícies de continentes e oceanos.

 

Este relatório é divulgado a poucos dias de uma importante cúpula na ONU sobre as mudanças climáticas, onde, segundo a enviada sobre o tema, Mary Robinson, será abordado seriamente o problema do aquecimento global.

 

Temperatura acima da média

 

A temperatura mundial de agosto de 2014 foi de 16,35º C, ou seja, 0,75 grau Celsius acima da média mundial de 15,6°C do século XX, segundo o relatório climático mensal da NOAA.

 

“Foi a maior diferença da média de qualquer mês no registro”, disse Jake Crouch, cientista da NOAA, que ressaltou que os registros começaram em 1880.

 

A temperatura média mundial do semestre janeiro-agosto de 2014 também foi a mais quente da história: 0,68°C acima da média do século passado, de 14,0°C.

 

“Se este desvio da média permanecer no restante de 2014, vamos superar 2010 como o ano mais quente registrado até agora”, dise Crouch.

 

Em outras palavras, se os meses que restam do ano também se situarem como os mais quentes até agora, 2014 será o ano mais quente no mundo do qual se tem notícia, explicou.

 

A maioria das temperaturas dos oceanos foram muito mais quentes que sua média do mês anterior, acrescentou.

 

Fenômeno climático não é o suficiente

 

Em terra, as temperaturas nos Estados Unidos se mantiveram dentro da média, mas partes da Europa, Ásia Central e Austrália estiveram entre a média e um pouco mais frio que a média.

 

Mesmo a chegada do El Niño, o fenômeno climático que esquenta as águas do Pacífico equatorial e produz uma temporada mais úmida que o normal, não parece que será suficiente para reabastecer as reservas de água da costa sudoeste dos Estados Unidos, devastada pela pior seca que sofreu em um século.

 

“Neste ano, o El Niño não será o herói que tirará a Califórnia da seca”, disse Alan Haynes, hidrólogo da NOAA.

 

Ano passado foi um dos mais quente

 

O ano de 2013 já havia sido um dos mais quentes no mundo desde 1880. A temperatura média combinada de terras e oceanos foi na época de 14,52ºC, ou seja, 0,62 grau a mais que a média do século XX.

 

Diante deste panorama, mais de 120 líderes devem participar da cúpula da ONU na próxima terça-feira, convocados a dar um novo impulso nos esforços para abordar a ameaça da mudança climática antes de uma conferência crucial em Paris, no próximo ano.

 

“Vamos ter a maior reunião de chefes de Estado já vista no tema do clima num momento em que o mundo sabe que temos que avançar com urgência”, sustentou Robinson em uma entrevista na última quarta-feira, 17.

 

A ONU tenta limitar o aquecimento global a dois graus centígrados acima dos níveis pré-industriais, mas os cientistas dizem que as tendências anuais de emissão podem encaminhar as temperaturas a mais do dobro deste nível até o fim do século.

 

 

AFP

*Via O Povo

Comentários