Arma que pertencia ao homem morto na troca de tiros com a polícia em Juazeiro estava em um matagal

Arma que pertencia ao homem morto na troca de tiros com a polícia em Juazeiro estava em um matagal

PUBLICIDADE
22 out 2015

Agência Miséria – Militares da Polícia Ambiental de Juazeiro do Norte encontraram na manhã desta quarta-feira a arma de fogo que pertencia a José Amilton da Silva, de 29 anos, morto em troca de tiros com a polícia. A pistola .40 estava em um matagal nas imediações do Sítio Sabiá perto do córrego onde o corpo de “Caim” ou “Cearazin”, como era conhecido, foi encontrado às 7 horas de anteontem.

 

Arma de fogo que pertencia a José Amilton da Silva, morto em troca de tiros com a polícia. FOTO: CÍCERO VALÉRIO / AGÊNCIA MISÉRIA

Arma de fogo que pertencia a José Amilton da Silva, morto em troca de tiros com a polícia. FOTO: CÍCERO VALÉRIO / AGÊNCIA MISÉRIA

Ele foi um dos homens que atirou na polícia na noite de segunda-feira no Sítio Chumbada e teria sido visto em fuga por dentro do mato com a arma em punho. Para fazer parte do inquérito policial, a mesma passou a ser procurada pelo Cabo Sobreira e os Soldados Filho e Alves ainda na terça-feira e até com a ajuda de populares. Ontem pela manhã, um agricultor do Sítio Catolé a encontrou e avisou aos PMs que recolheram a pistola com numeração raspada, suja de sangue e de areia.

 

Ela estava a uma distância média de 50 metros em relação ao local onde o corpo da vítima foi encontrado e tinha um cartucho intacto e as cápsulas são semelhantes as que foram encontradas no local do tiroteio. José Amilton residia no Distrito de Ingazeiras em Aurora e era acusado de integrar uma quadrilha interestadual de assaltantes de bancos, cargas, lotéricas e crimes de pistolagem. Ele e outros comparsas trocaram tiros com policiais do Pará e Fortaleza.

 

Três foram presos, “Caim” morreu e um policial civil do Pará saiu baleado na perna, mas já recebeu alta do Hospital Regional do Cariri em Juazeiro na madrugada de anteontem. Os policiais vieram ao Cariri cumprir manados de prisões preventivas expedidos pela justiça dos dois estados.

Comentários