Aurora-CE: Grupo de Apoio ao Combate ao Aedes Aegypti, formado por universitários fizeram quase 12 mil visitas

PUBLICIDADE
5 jul 2016
Os universitários atuaram durante todo o período no apoio às Equipes da Secretaria Municipal de Saúde, orientando a população em relação a adoção de medidas preventivas, vistoriando os locais de possíveis criadouros do Aedes Aegypti. FOTO: RENATO BRITO

Os universitários atuaram durante todo o período no apoio às Equipes da Secretaria Municipal de Saúde, orientando a população em relação a adoção de medidas preventivas, vistoriando os locais de possíveis criadouros do Aedes Aegypti. FOTO: RENATO BRITO

O Grupo Emergencial de Apoio ao Combate ao Aedes Aegypti (GEACAA), formado por 33 estudantes universitários aurorenses completou o ciclo de trabalho de 90 dias, estipulado pelo Projeto de Lei 09/2016, instituído pelo prefeito Adailton Macedo, através da Secretaria Municipal de Saúde, por intermédio da Vigilância Epidemiológica.

 

Os universitários atuaram durante todo o período no apoio às Equipes da Secretaria Municipal de Saúde, orientando a população em relação a adoção de medidas preventivas, vistoriando os locais de possíveis criadouros do Aedes Aegypti e emitindo relatórios semanais das atuações junto a Coordenação Especializada de Vigilância Epidemiológica, que tem a frente o Biomédico e Gestor em Saúde Pública, Richard Luna.

 

Segundo balanço apresentado pelo Coordenador da Vigilância Epidemiológica, o Biomédico Richard Luna, ao longo dos meses de abril, maio e junho; 11.725 visitas domiciliares foram feitas pelos estudantes universitários, portanto, uma média de 3.908 visitas mensais.

 

Ainda segundo Richard, associado ao alto número de vistas domiciliares, o trabalho dos estudantes universitário ajudou a reduzir os índices de infestação do Aedes Aegypti.

 

Os universitários atuaram com foco principal no Bairro Araçá, por concentrar o maior número de focos da dengue, por exemplo. Além do Araçá eles atuaram no Centro da cidade, no Bairro São Benedito e Vila Paulo Gonçalves.
Durante os três meses de trabalho; os 33 universitários receberam uma ajuda de custo da prefeitura no valor de R$ 300,00 mensais para desempenharem as funções.

 

Os universitários contratados para tal finalidade pertencem a cursos relacionados a área da saúde. Este foi um dos critérios exigidos pelo projeto de lei que instituiu o Grupo Emergencial de Apoio ao Combate ao Aedes Aegypti.

 

Além desta medida, o município conta com o Plano de Enfrentamento ao Aedes Aegypti, composto 22 propostas, incluindo a participação da Secretaria de Saúde e outras pastas da gestão, além de segmentos da sociedade e o cidadão comum individual ou coletivamente.

Comentários