Cagece registra perda de 24,75% da água no Estado

PUBLICIDADE
23 dez 2014
A perda não interfere no abastecimento e ainda não faz parte da base de dados para calcular as tarifas de água. (Foto: Ilustrativa)

A perda não interfere no abastecimento e ainda não faz parte da base de dados para calcular as tarifas de água. (Foto: Ilustrativa)

O índice de perdas operacionais de água atingiu em agosto 24,75%. O número, de acordo com a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), é um dos mais baixos registrados nos últimos sete anos. Em um comparativo com a última média nacional aferida em 2010 pelo Instituto Trata Brasil, o índice cearense está abaixo do brasileiro, que é de 37,57%.

 

O gerente de Controle de Perdas da Cagece, Luiz Celso Pinto, explica que o número se refere ao Índice de Água Não Faturada (Ianf), ou seja, a água que não passa pelos hidrômetros da companhia, e é diferente do desperdício de água nas casas. “Ele é medido com a diferença entre o volume de água distribuído e o faturado”, pontua.

 

A perda não interfere no abastecimento e ainda não faz parte da base de dados para calcular as tarifas de água. Portanto, não chega ao bolso do consumidor. Mas isso, segundo a Cagece, pode mudar e passar a ser cobrado no próximo ano. Luiz Celso acredita que, com investimento, até 2020, o número cearense de perda, que está entre os melhores do País, chegue a 20%.

 

Conforme o gerente, as principais causas das perdas são os vazamentos e as ligações clandestinas. “Na Capital esse índice é maior, principalmente por conta das fraudes”, detalha o gerente, destacando ainda que são 26 equipes em todo Estado, direcionadas para o trabalho de encontrar os desvios de água. Quando são encontradas ligações fraudulentas, é feita a documentação e o responsável é chamado a justificar e a pagar multa. “Antes essa multa era baixa, o que encorajava novas ligações, há dois anos isso passou por reajuste”, explica.

 

Dicas

 

PARA ENCONTRAR VAZAMENTOS

 

1. Jogue um pouco de farinha dentro do vaso sanitário. O certo é que a farinha permaneça no fundo.

2. Para checar se há vazamento entre o hidrômetro e a caixa-d’água, abra o registro do hidrômetro e feche a boia da caixa até interromper o fluxo de água. O hidrômetro deve ficar parado.

 
3. Para verificar se há vazamento entre a caixa-d’água e as instalações internas do imóvel, feche a boia e marque o nível da água na caixa. Feche todas as torneiras e chuveiros da casa e não use vasos sanitários durante uma hora. Meça o nível de água na caixa. Se houver alteração, há vazamento.

 

O Povo Online

Comentários