Campanha de vacinação contra a raiva no Ceará chega ao fim nesta segunda (29)

PUBLICIDADE
28 dez 2014
A vacinação é importante por ser o único meio de prevenir a transmissão da doença. (Foto: Macelo Camargo/Agência Brasil)

A vacinação é importante por ser o único meio de prevenir a transmissão da doença. (Foto: Macelo Camargo/Agência Brasil)

Nesta segunda-feira, 29, chega ao fim a campanha de vacinação antirrábica animal de 2014, que tem como tema “Raiva, só dá se não vacinar”. A previsão é de que sejam vacinados 1.711.481 animais, dos quais 1.128.708 são cães e 582.773 são gatos. No ano passado, a cobertura da vacina no Ceará foi de 94,91%. No total, 1.071.22. cães e 484.083 gatos foram imunizados em 2013.

 

Doença viral e que pode ser repassada por meio de mordida, lambida ou arranhão de um animal infectado, a raiva é transmitida principalmente por cães, gatos, saguis e morcegos. Outro animal considerado trnsmissor da doença é o soin, que foi responsável por quatro casos só aqui no Ceará nos últimos dez anos.

 

Atualmente, a doença apresenta uma taxa letal de quase 100%, porcentagem que indica a importância das campanhas para a prevenção de novos casos. Os sintomas no homem podem aparecer como um mal estar geral, anorexia, cefaleia, náuseas, irritabilidade, inquietude e sensação de angústia, etc. Com a progressão da infecção, o óbito pode acontecer entre 5 a 7 dias após os início dos sintomas.

 

O veterinário Rodrigo Macambira comentou que a vacinação é fundamental, por ser justamente o único meio de prevenir os novos casos e por conta de a raiva ainda não ter uma cura. “Só foram registrados dois casos de cura no mundo: um nos Estados Unidos e um em Recife”, disse. Porém, outros cuidados podem ser no contato com outros animais, como por exemplo os animais criados em cativeiro, para evitar possíveis mordidas ou ataques. Segundo ele, se alguém sofre trauma, como a mordida, deve se encaminhar diretamente a um posto de saúde, onde será examinado por um médico veterinário que irformará sobre um possível tratamento ou vacina.

 

De 1990 a 2013 foram registrados 45 casos de raiva em 22 municípíos cearenses. Nesse período, 62,2% (28 casos) foram resultados da transmissão através de cães e 37,8% (17 casos) por animais silvestres. Apesar disso, os números que indicam o total de casos registrados no estado chegaram a zero no ano de 2013. A vacinação dos animais, que não apresenta contraindicações, é a única forma de evitar que eles contraiam e transmitam a doença para humanos.

 

Diário do Nordeste

Comentários