Com aprovação de vazão de 60 l/s, abastecimento feito do Açude Cachoeira está garantido pelo menos até fevereiro de 2017

Com aprovação de vazão de 60 l/s, abastecimento feito do Açude Cachoeira está garantido pelo menos até fevereiro de 2017

PUBLICIDADE
17 jul 2015

Da Redação – A Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) realizou na manhã desta quinta-feira (16.07) mais uma Reunião de Alocação Negociada de Água (RANA) na Capela da Agrovila, em Aurora, para discutir a operacionalização junto ao Açude Cachoeira, responsável pelo abastecimento de toda a sede do município e várias comunidades rurais.

 

A reunião já ocorre periodicamente, porém esta ganhou mais notoriedade, devido ao quadro em que se encontra o reservatório. FOTO: RENATO BRITO / AQUICONECTADOS

A reunião já ocorre periodicamente, porém esta ganhou mais notoriedade, devido ao quadro em que se encontra o reservatório. FOTO: RENATO BRITO / AQUICONECTADOS

 

A reunião já ocorre periodicamente, porém esta ganhou mais notoriedade, devido ao quadro em que se encontra o reservatório, que no momento concentra apenas pouco mais de 23% de sua capacidade de armazenamento.

 

O evento foi coordenado pelo Gerente Regional da Cogerh, Alberto Medeiros de Brito e contou com a participação do Prefeito Adailton Macedo, dos vereadores Chico Henrique (presidente da Câmara), Osasco Gonçalves, Maria Iracilda, Edísio Leite e Aderlânio Macedo. Vários secretários municipais também marcaram presença, dentre eles, José Dácio, da agricultura, além de representantes da Cagece.

 

O Gerente da Cogerh, Alberto Medeiros lembrou que o problema da escassez de água é geral e atinge todo o estado do Ceará. FOTO: RENATO BRITO / AQUICONECTADOS

O Gerente da Cogerh, Alberto Medeiros lembrou que o problema da escassez de água é geral e atinge todo o estado do Ceará. FOTO: RENATO BRITO / AQUICONECTADOS

 

A reunião foi aberta com a apresentação de um projeto, relacionado ao meio ambiente, de autoria do professor Joéliton e alunos da Escola de Ensino Estadual e Profissionalizante Leopoldina Gonçalves Quezado. Eles mostraram as várias maneiras utilizadas pela população para poluir o açude cachoeira, como o descarte de embalagens e substâncias proibidas ao meio ambiente e pediram o paio da população do local para cololaborar com a pesquisa que está sendo desenvolvida e que traça diversos campos, no intuito de conhecer melhor o reservatório e apontar soluções futuras para os problemas detectados, dentre outros fins.

 

Como o Comitê da Bacia do Salgado limitou ao no máximo 60 l/s a partir de agora, os presentes tiveram de opinar entre vazões de 40 l/s, 50 l/s e 60 l/s. FOTO: RENATO BRITO / AQUICONECTADOS

Como o Comitê da Bacia do Salgado limitou ao no máximo 60 l/s a partir de agora, os presentes tiveram de opinar entre vazões de 40 l/s, 50 l/s e 60 l/s. FOTO: RENATO BRITO / AQUICONECTADOS

 

O prefeito Adailton Macedo se disse bastante preocupado com a situação em que se encontra o açude Cachoeira e pediu a colaboração de todos, tanto no sentido de preservar o leito do reservatório contra a poluição, bem como no sentido de poupar o liquido precioso. O gestor lebrou ainda que voltará a cobrar do governador Camilo Santana a construção da adutora, que fará com que bastante seja economizada.

 

O Gerente da Cogerh, Alberto Medeiros lembrou que o problema da escassez de água é geral e atinge todo o estado do Ceará.

 

O ponto alto da discussão era determinar a partir deste segundo semestre a operacionalização do reservatório, a cerca da quantidade de água a ser liberada principalmente para o abastecimento humano. Atualmente o reservatório opera com uma vazão de 80 l/s, o que provocaria um colapso até meados de dezembro de 2016, caso não houvesse recarga hídrica até lá.

 

Como o Comitê da Bacia do Salgado limitou ao no máximo 60 l/s a partir de agora, os presentes tiveram de opinar entre vazões de 40 l/s, 50 l/s e 60 l/s. Esta última opção foi a escolhida (60 l/s). Com esta vazão, caso não aja recarga hídrica do reservatório ao longo da próxima quadra invernosa, o Açude cachoeira suportará o abastecimento da população até meados de fevereiro de 2017. (Veja abaixo o prognóstico e perspectivas feitas pela Cogerh, através de estudos)

 

FOTO: REPRODUÇÃO / COGERH

FOTO: REPRODUÇÃO / COGERH

 

O vereador Osasco Gonçalves, ao fazer uso da palavra criticou a Cagece, que segundo ele, desperdiça muita água. O secretário da Juventude, Pedro Henrique lembrou que até então o que se via na televisão, agora se aproxima de nós e que é preciso todos se doarem a essa questão da escassez de água.

 

O Agente de Saúde Luiz França entregou ao prefeito Adailton Macedo um abaixo assinado com 500 assinaturas, para que este seja encaminhado ao Governador Camilo Santana, cobrando a imediata construção da adutora.

 

A senhora Lindamar, representante da Cagece na reunião, em resposta a vários questionamentos levantados à empresa, afirmou que a Cagece tem responsabilidade sim no tocante ao desperdício de água, porém a empresa tem buscado diminuir as perdas. Lindamar adiantou inclusive que a Cagece pretende implantar uma tarifa de desperdício aos usuários que extrapolarem o uso do liquido.

A implantação desta tarifa soou mal aos ouvidos do prefeito Adailton Macedo que chegou a dizer que repudia esta cobrança. Adailton disse que antes de cobrar esta tarifa a Cagece corrija primeiro suas falhas e isso fique para quarto ou quinto plano. Segundo o prefeito não cabe mais impostos á população tão sofrida.

 

O presidente da Câmara, o vereador Chico Henrique afirmou a reportagem do Portal Aquiconectados, que se depender da Câmara esta matéria não será votada. “…Eu não colocarei essa matéria em pauta, nossa população não merece ser tratada dessa forma, não cabe mais impostos”, disse Chico Henrique.

 

VEJA MAIS FOTOS:

Comentários