Deputados devem gastar até R$ 100 por cada eleitor

PUBLICIDADE
27 jul 2014

políticosSe os bastidores da disputa majoritária fervilham, intensamente agitada também está a concorrência pelo voto proporcional, para a eleição dos representantes cearenses na Assembleia Legislativa e na Câmara dos Deputados. O voto para deputado federal está cotado a R$ 100 e de estadual a R$ 80. Alguns dos atuais detentores de mandatos que já fizeram “investimentos” nas eleições de prefeitos e vereadores, em 2012, e que conseguiram liberar recursos das tais emendas parlamentares, compram por menos.

 

A economia marginal do período de eleição, com a movimentação de muitos milhões de reais, é um tema que as partes não querem comentar, diferentemente daquela lícita quando todos opinam e sobretudo o principal ator, o investidor, ressalta, inclusive, os benefícios sociais e os resultados favoráveis ao crescimento do Estado, advindos de suas aplicações. Nesta, ninguém esconde valores. Naquela, comprador e vendedor sequer querem ser conhecidos, talvez até, pelo fato de os seus efeitos serem maléficos, também, e principalmente, à ordem democrática que reclama eleições livres.

 

Com menor facilidade de arrecadação, em razão do controle, embora superficial da Justiça Eleitoral com amparo nos mecanismos de fiscalização da Receita Federal, candidatos ao Legislativo buscam socorro nas duas principais coligações que disputam o Governo do Estado.

 

Elas têm interesse em concentrar o maior número de aliados possíveis, mas não parecem tão fortalecidas para atenderem, sequer, suas próprias necessidades financeiras, imensas, é bom frisar, motivando, por isso, os descontentamentos e rompimentos anunciados de um e outro lado, justificados como sendo por razões meramente políticas e não pecuniária.

 

Mesmo com vantagens em relação aos demais candidatos, os atuais legisladores, para garantirem a reeleição, vão gastar, ou gastarão por eles, valores bem mais expressivos do que os anunciados para a Justiça Eleitoral, irreais, enfatize-se, pois muito aquém do reclamado para qualquer daqueles que queiram ter postulação competitiva. Nessa faixa está um grupo de pelo menos 13 deputados federais, todos com aguerridos prefeitos à caça de votos.

 

Os nove outros vitoriosos, ao fim da disputa, terão ido ao mercado, sujeitando-se ao preço da praça, fazendo o mandato beirar os R$ 5 milhões, excetuando-se os majoritariamente votados na Capital onde, diferentemente do Interior, nenhum cabo eleitoral pode estabelecer a quantidade de sufrágios “de cabresto” a entregar.

 

Expressivos

 

Luizianne Lins, Moroni Torgan e Inácio Arruda se incluem na relação dos prováveis vitoriosos, cujas despesas ficarão aquém dos demais, diferente de outros como Adail Carneiro, Moses Rodrigues e Leônidas Cristino, cuja votação é quase toda ela interiorana conquistada com o concurso do dinheiro que possa ser transformado em mimo para o eleitor levado pelo cabo eleitoral indutor do direcionamento do voto para o pagante.

 

A propósito do Colégio Eleitoral de Fortaleza, está sendo esperado uma boa disputa entre Luizianne e Moroni sobre quem será o mais votado, em razão das disputas municipais direta ou indiretamente que travaram nas últimas eleições para prefeito da Capital. Os dois vão ter votos no Interior, mas nunca expressivos quanto aos de Fortaleza.

 

Luizianne, porém, está mais preocupada, parece, é em ser a mais votada dentro do PT para mostrar ao seu concorrente direto, José Guimarães, ser ela a principal expoente da agremiação no Ceará, posição que disputam há um certo tempo, daí estarem em campos opostos.

 

Vitaliciedade

 

O vice-governador Domingos Filho (até agora não há notícia de sua desfiliação do PROS) ainda prestaria melhor serviço ao Ceará se continuasse militando na política, como o faz, há décadas, do que sendo conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), missão muito nobre para quem se despoja de todas as ligações políticas, condição nada fácil para ele, nascido e criado na política (o seu pai foi deputado estadual e prefeito de Tauá) e a adota, até hoje, como sua principal atividade desde a maioridade, sendo exemplo na família.

 

O governador Cid Gomes, também, poderia evitar, deixar na história, o registro de ter indicado um nome para o TCM por uma única razão: satisfazer interesses de acomodação política, incluindo mais, a criação de um cargo de direção na Agência Reguladora do Estado há seis meses do fim do Governo, para cumprir acordos de eleição.

 

O TCM ainda não tem um auditor no quadro de conselheiros, como impõe a Constituição cearense desde 1989. O governador bem que poderia indicar um desses profissionais. Roberto Cláudio (PROS), quando presidente da Assembleia, preferiu indicar para um cargo de conselheiro daquela Corte de Contas, depois da desistência do deputado Heitor Férrer (PDT), um profissional do direito Hélio Parente, ligado a seu grupo político sim, mas por questões profissionais e não eleitorais.

 

Diário do Nordeste

Comentários