Ex-prefeito Carlos Macedo tem três contas desaprovadas por maioria da Câmara Municipal

Ex-prefeito Carlos Macedo tem três contas desaprovadas por maioria da Câmara Municipal

PUBLICIDADE
19 nov 2016

O ex-prefeito do município de Aurora, Francisco Carlos Macedo Tavares (PSB) sofreu três derrotas numa só sessão da Câmara Municipal de Aurora neste sábado (19) ao ter Contas de Gestão relativas aos exercícios financeiros de 2002, 2003 e 2004 desaprovadas por 6 votos a 5 em três votações idênticas.

 

Apesar de ter sido devidamente comunicado pela Câmara, para comparecer neste sábado (19) e exercer seu legítimo direito de defesa, o ex-prefeito não compareceu à Câmara. FOTO: AQUICONECTADOS

Apesar de ter sido devidamente comunicado pela Câmara, para comparecer neste sábado (19) e exercer seu legítimo direito de defesa, o ex-prefeito não compareceu à Câmara. FOTO: AQUICONECTADOS

 

As referidas contas foram encaminhadas ao legislativo pelo Tribunal de Contas dos Municípios – TCM com pareceres prévios à desaprovação, no entanto a Comissão de Orçamento e Finanças da Câmara, através da vereadora Iracilda, emitiu parecer contrário, ou seja, pela aprovação das contas.

 

Carlos Macedo teve suas contas de gestão relativas ao ano de 2001 desaprovadas por 6 votos a 5, a pouco mais de um mês, no dia 15 de outubro pela Câmara Municipal de Aurora. O placar naquela ocasião foi idêntico ás três votações de hoje.

 

Apesar de ter sido devidamente comunicado pela Câmara, para comparecer neste sábado (19) e exercer seu legítimo direito de defesa, o ex-prefeito não compareceu à Câmara.

 

Empatada em 5 a 5, o voto de minerva foi dado pelo presidente da casa, o vereador Chico Henrique, que votou pela desaprovação das contas do ex-gestor.

 

Veja como votaram os vereadores:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Resumo das votações:

 

*Toda a base do prefeito Adailton Macedo (formada por cinco vereadore) votou a favor das contas do ex-prefeito Carlos Macedo, enquanto os demais (seis vereadores) que apoiaram o candidato Marcone Tavares votaram contra.

Comentários