Falta de confronto entre líderes das pesquisas marca debate da Nordestv realizado em Sobral

Falta de confronto entre líderes das pesquisas marca debate da Nordestv realizado em Sobral

PUBLICIDADE
27 set 2014
(Foto: Tribuna do Ceará)

(Foto: Tribuna do Ceará)

O debate entre candidatos ao Governo do Ceará desta sexta-feira (26) foi marcado por falta de confronto entre líderes das pesquisas. O evento, exibido pela Nordestv (canal 27), aconteceu pela primeira vez fora de Fortaleza. A cidade escolhida foi Sobral, sede da emissora.

 

Evitando confronto direto, Camilo Santana (PT), apoiado pelo governador Cid Gomes (Pros), e Eunício Oliveira (PMDB) passaram dois blocos sem se falar diretamente. Apenas no terceiro bloco, de tema livre, Eunício questionou o petista sobre a violência e saúde pública. A resposta fugiu do tema e abordou as obras planejadas para o combate à seca. Na réplica e tréplica, o tema sobre violência voltou a ser abordado, mas sem profundidade.

 

Com cinco blocos, o debate envolveu quatro temas: segurança, saúde pública, seca e educação. Eliane Novais (PSB) foi sorteada para iniciar as perguntas em todos os blocos. A partir daí, o quadro seguinte também passou a se repetir: Eliane perguntava a Camilo, que perguntava a Ailton Lopes (Psol), que perguntava a Eunício, que perguntava a Eliane. Apenas no terceiro bloco houve a mudança.

 

Com o debate cheio de promessas de cada candidato, o único momento de tensão criado foi quando Eliane apontou a existência de nove processos de improbidade administrativa envolvendo o nome de Camilo. Além disso, ela ainda enfatizou a polêmica do “escândalo dos banheiros”, em que o petista foi citado judicialmente.

 

Camilo pediu direito de resposta, que foi concedido. Ele explicou que foi apenas citado, e que não foi processado como réu. “Tenho todos os documentos aqui”. Além disso, declarou que os réus do processo envolviam Teo Menezes e seu pai. Também enfatizou que o caso aconteceu em junho de 2010, e que ele assumiu a Secretaria de Cidades somente em janeiro de 2011.

 

Segurança e saúde

 

No primeiro bloco, Eliane questionou Camilo sobre o “fracasso na política de segurança pública” do governo de Cid Gomes. Camilo defendeu a última gestão, enfatizando que houve redução de 15% da criminalidade durante este ano. Ele também ressaltou que investiria na polícia, e que também pretende criar escolas integrais para combater a possível causa do problema da violência.

 

Para Ailton, o petista indagou a questão de ações de urgência e emergência no interior do estado. O candidato do Psol, ao responder, acusou a Unidade Pronto de Atendimento (UPA) de ser uma promessa falaciosa e que o governo havia terceirizado a saúde pública, esquecendo de investir em atenção primária.

 

A pergunta para Eunício foi sobre segurança. Ailton ainda ressaltou que o candidato apoiava o governo de Cid até abril deste ano. O peemedebista, como resposta, utilizou a proposta das escolas integrais, que é semelhante a de Camilo.

 

Questionada sobre a saúde pública, Eliane ressaltou que não há concurso público há oito anos e criticou a atual gestão estadual.

 

Seca e educação

 

No segundo bloco, as perguntas foram sobre educação. Camilo aproveitou para ressaltar o trabalho da vice de sua chapa, Izolda Cela, elogiando seu desempenho e destacando os avanços que foram pautas nacionais.

 

Eunício explicou suas propostas e declarou que iria proporcionar escola de tempo integral para 200 mil alunos, além de abrir um diálogo maior com a sociedade. Já Eliane criticou novamente o governo, afirmando que não há cumprimento dos acordos, além de destacar as greves diversas da Universidade Estadual do Ceará (Uece), e a manifestação de professores que acabou em agressão na Assembleia Legislativa.

 

Somente Ailton abordou na resposta o tema da seca, destacando uma democratização dos comitês de bacias. Ele afirmou que há bastante água para indústrias, como a termelétrica do estado, mas não para agricultores familiares.

 

Temas livres

 

Durante os temas livres, Ailton foi incisivo com os candidatos e chegou a cobrar de Camilo um confronto direto com Eunício. Diversos temas foram abordados, desde o escândalo da Petrobras à Lei da Anistia. Durante as respostas, candidatos trocaram farpas e ressaltaram suas principais propostas.

 

Tribuna do Ceará

Comentários