Homem declarado como morto sai de saco fúnebre na Bahia

PUBLICIDADE
26 ago 2014
A família do homem já havia gastado quase R$ 2 mil para fazer o sepultamento e velório do homem. (Foto: Ilustrativa / Divulgação)

A família do homem já havia gastado quase R$ 2 mil para fazer o sepultamento e velório do homem. (Foto: Ilustrativa / Divulgação)

Um fato que mais parece cena de um filme: um homem, que era dado como morto pelos médicos de um hospital da Bahia, foi salvo pelo irmão que o viu se mexer no momento em que ele estava dentro de um saco fúnebre no necrotério da unidade. O caso aconteceu na madrugada do ultimo domingo (24) no Hospital Geral Menandro de Farias (HGMF), em Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador.

 

Valdelúcio de Oliveira, de 54 anos, estava internado há três meses no HGMF para tratar de um câncer em estágio avançado. Recentemente ele havia passado por uma traqueostomia, o que estava impedindo de falar. No ultimo final de semana, segundo os médicos, o homem sofreu duas paradas cardíacas e a equipe tentou reanimá-lo. Os médicos informaram à família que Valderlúcio havia morrido.

 

Dado o caso como sem solução, o homem teve os braços e pés amarrados e foi colocado dentro de um saco fúnebre. Quando já estava no necrotério, o irmão do homem pediu para colocar trajes da funerária antes de levá-lo para o velório. Foi quando Waltério Gonçalves percebeu que o saco em que o irmão havia sido colocado estava mexendo. Ele chamou os médicos do hospital que ao abrirem o saco, encontraram Valderlúcio vivo e se debatendo.

 

A família do homem já havia gastado quase R$ 2 mil para fazer o sepultamento e velório do homem.

 

Uma sindicância foi aberta no hospital para apurar o caso. Segundo a família, os médicos chegaram a expedir um atestado de óbito que alegava falência múltipla de órgãos.

 

O homem passa bem e segue internado no mesmo hospital. A família acredita que houve um milagre.

 

Diário do Nordeste

Comentários