Juazeiro do Norte festeja 103 anos com fé e tradição

PUBLICIDADE
22 jul 2014
Pequenas estruturas foram transformadas com o tempo

Pequenas estruturas foram transformadas com o tempo. (Fotos: Elizângela Santos)

O município que se tornou referência para o desenvolvimento regional completa hoje 103 anos. As comemorações de aniversário de Juazeiro do Norte foram iniciadas no último dia 18. As festividades foram abertas com missa em ação de graças, na Basílica Menor de Nossa Senhora das Dores. Foram realizadas competições, inaugurações municipais, exposições e missa dos 80 anos do Padre Cícero, no último dia 20, às 6 horas, com mais de 20 mil romeiros na praça do Socorro. O sacerdote é o maior benfeitor e fundador da terra que passou a ser ‘Capital da Fé’, reconhecida por decreto estadual, por sua grande tradição de romarias, principalmente em louvor ao padre que se tornou um dos maiores fenômenos da fé popular do Brasil.

 

A programação oficial das comemorações do aniversário da cidade segue durante o dia de hoje, com a alvorada festiva, Corrida Padre Cícero, hasteamento das bandeiras, na Praça Dirceu de Figueiredo, inaugurações e almoço no Restaurante Popular aberto ao público.

 

Juazeiro tem se destacado pelas fanfarras, que se apresentam a partir das 16 horas, durante festival, atraindo grande público. A via de acesso ao Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes, a Avenida Virgílio Távora com a Avenida Manoel Coelho, é inaugurada. Além disso, será apresentada a peça de Teatro ‘A Serva’, na Praça Padre Cícero, e um show de encerramento com o cantor Amado Batista, com show pirotécnico, no Parque de Eventos.

 

Juazeiro se traduz diante de um reflexo histórico que é o seu maior sustentáculo. A oração e o trabalho incentivados pelo Padre Cícero e apregoados pelos seus seguidores estão mais atuais do que nunca. Tornou-se um dos municípios de médio porte do Brasil de maior progresso, principalmente no âmbito do comércio popular. A cada ano, atrai cerca de 2 milhões de visitantes, principalmente em função das grandes romarias ao Padre Cícero e nas festas religiosas em louvor à Nossa Senhora das Dores e à ‘Mãe das Candeias’.

 

O Município se divide entre o velho e o novo. Os prédios tomam formas verticalizadas. As edificações são constantemente renovadas, diante do crescimento dinâmico. A maior parte dessa história se encontra mesmo nos raros registros fotográficos e acervos de pesquisadores. A independência de Juazeiro veio principalmente por meio da luta e da liderança que Padre Cícero e o médico Floro Bartolomeu exerciam sobre o Município. A localidade se tornou dos fortes pontos comerciais da região do Cariri. Fica fortalecida diante da pujança que começava a ter e das lideranças que lutavam por um caminho próprio.

 

Reconhecimento

 

A acolhida daqueles que sabiam desenvolver os seus ofícios deu impulso às múltiplas linguagens da arte e diversidade de saberes. O artesanato hoje é reconhecido no sul do País e em várias partes do Mundo, principalmente da Europa. São frequentes as exposições de trabalhos de artistas juazeirenses em outras cidades para além do Cariri.

 

O crescimento do turismo e das romarias em Juazeiro do Norte é constante. Em 1889 nasce um dos momentos mais controversos da religiosidade popular do Brasil. Até hoje o mistério ronda o Juazeiro. O sangramento da hóstia ofertada pelo Padre Cícero na boca da beata Maria de Araújo deu início ao processo das romarias. A notícia correu o Nordeste. O sacerdote querido passa a ser o padre do ‘milagre’. A cidade, o palco da fé. Uma meca, que avança e se redescobre na fé e no trabalho, tão apregoados pelo ‘padre dos romeiros’

 

Diário do Nordeste

Comentários