Justiça manda pagar salário mínimo como renda menor aos servidores, no município do Barro

Justiça manda pagar salário mínimo como renda menor aos servidores, no município do Barro

PUBLICIDADE
21 jul 2014

O juiz Bruno Gomes Benigno Sobral, titular da Comarca de Barro, determinou que a prefeitura municipal pague pelo menos um salário mínimo a todos os servidores independente do tipo de vínculo e jornada de trabalho. O magistrado também fixou prazo de 60 dias para o cumprimento da decisão, sob pena de caracterização de crime de desobediência, representação por improbidade administrativa e multa diária no valor de R$ 5 mil.

 

Segundo os autos, o Ministério Público do Ceará recebeu denúncias da existência de servidores recebendo remunerações abaixo de um salário. Após investigação, ficou evidenciado que alguns funcionários ganham a metade do mínimo para jornada de 20 horas semanais. Por isso, em abril de 2013, o órgão ministerial propôs ação civil pública com pedido de tutela antecipada contra o Município. Requereu que, independente do regime de horas trabalhadas, os servidores não recebessem menos que o salário mínimo.

 

Pediu, ainda, que fosse fixada multa diária no valor de R$ 500,00 sobre o patrimônio do prefeito de Barro em caso de descumprimento da ordem. Na contestação, o município alegou a impossibilidade de tutela antecipada em face do Poder Público e da aplicação de multa contra o gestor, devendo incidir sobre o ente federativo. Também requereu prazo para a possível adequação ao pagamento do salário mínimo. Ao julgar o caso, o magistrado afirmou se tratar de violação à Constituição Federal.

 

Destacou que o salário mínimo “deve ser garantido a todos os servidores públicos, independente da jornada de trabalho, ainda que seja reduzida”. Disse mais que não pode ser tolerada “a ausência de organização e planejamento na nomeação de servidores, onerando indevidamente o erário, decorrente da excessiva contratação de servidores, com a posterior utilização de argumentos relativos à conveniência financeira como justificativa para o descumprimento de norma de matriz constitucional”.

 

Agência Miséria

Comentários