Mais de 9 mil motociclistas flagrados sem capacete em 2014

PUBLICIDADE
2 ago 2014
O uso do capacete foi ignorado por pelo menos 24 pessoas flagradas pelo O POVO em menos de três horas. (Foto: Camila de Almeida)

O uso do capacete foi ignorado por pelo menos 24 pessoas flagradas pelo O POVO em menos de três horas. (Foto: Camila de Almeida)

Em fiscalizações realizadas em todo o Estado de janeiro a junho deste ano, o Departamento Estadual de Trânsito do Ceará (Detran-CE) registrou 9.783 ocorrências de condutores de motocicletas sem usar o capacete. O mesmo período no ano passado teve 8.632 casos registrados, o que deixa 2014 com um aumento de 11% para este tipo de infração. No primeiro semestre deste ano, cresceram também os índices de negligência em relação ao licenciamento de motocicletas e à habilitação dos condutores.

 
Comparando com o número de motocicletas registradas no Estado até maio deste ano (1.076.010), é como se as ocorrências chegassem a 0,9% da frota. Basta uma volta pela cidade para ver motociclistas que circulam sem respeitar a legislação de trânsito. O uso do capacete foi ignorado por pelo menos 24 pessoas flagradas pelo O POVO em menos de três horas no Conjunto José Walter e em Messejana na manhã da última terça-feira. A prática não foi vista nas avenidas mais movimentadas. Em vias de menor tráfego, no entanto, as irregularidades iam além da ausência do capacete. Crianças colocadas entre condutor e passageiro, motociclista com uma mão no guidom enquanto trazia o celular na outra e até uma criança conduzindo sozinha foram as cenas presenciadas.

 
Bairros mais afastados do Centro são priorizados pelas equipes de fiscalização, segundo afirma o coordenador de blitze do Detran, Ribamar Diniz. Ele explica que duas entre quatro equipes em um turno são direcionadas a esses locais. Conjunto Ceará e Conjunto José Walter são os principais alvos na Capital, enquanto Caucaia e Maracanaú também recebem maior mobilização na Região Metropolitana. As escalas de equipes são em dias alternados, e o calendário é de posse exclusiva do gerente de fiscalização. “A ideia é que seja uma surpresa para os condutores. Os próprios agentes só ficam sabendo no dia para onde vão”, explica o coordenador. Além de agentes fixos em blitze, a abordagem também é feita com operações volantes pelas ruas dos bairros, afirma Diniz.

 
“Tenho uma bebê que está em casa doente. Tivemos que dar um pulo na farmácia, muito rápido”, foi a desculpa dada por uma mãe que vinha na garupa com a filha. A menina vestia a farda do colégio e estava entre a mãe e o condutor da moto na avenida D, no Conjunto José Walter. Nenhuma das duas usava capacete. Por ali, o ambulante Benedito Rodrigues diz ver muitas dessas irregularidades de motociclistas o dia todo. Pelo menos uma vez por mês, ele dá conta de alguma blitz no final da avenida.

 
A fiscalização não chega em muitos locais do conjunto Alto Alegre, na Grande Messejana. É o que afirma Edaildo Venâncio, 34, garçom em uma churrascaria na avenida Contorno Sul. Na via, é comum ver as infrações. “As pessoas sabem que não serão flagradas aqui. É criança em cima de moto, é gente sem capacete. Vejo isso aqui e em ruas pequenas de quase todo bairro. Além de ver muito mais casos no Interior”, diz Edaildo. Nos municípios cearenses, a fiscalização do Detran ocorre com a “Operação Capacete”.

 

Saiba mais

 

Para garantir a segurança no trânsito, o motociclista deve manter distância dos veículos à frente, ocupar o mesmo espaço de um carro na via e fazer ultrapassagens apenas pelo lado esquerdo.

 
Deve-se dar preferência a capacetes fechados, com queixeira, viseira e selo de qualidade do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). As orientações são do coordenador de blitze do Detran, Ribamar Diniz.

No Hospital Dr. José Frota, acidentes com motocicletas foram a segunda maior causa de atendimento no ano passado. Foram 9.102 pacientes entre maio e dezembro de 2013. No mesmo período, apenas os atendimentos motivados por quedas ultrapassaram os acidentes com motociclistas: foram 9.397 casos.

 

O Povo Online

Comentários