Marido mata a mulher, põe corpo em freezer e executa vice-prefeito de Choró

PUBLICIDADE
25 nov 2015

A Polícia acredita que as mortes do vice-prefeito de Choró, Francisco Sidney Cavalcante de Sousa, 42, e da técnica de enfermagem Maria Elisângela Gomes Lemos, 35, tenham sido cometidas por motivos passionais. O acusado dos crimes, Francisco Roberto Oliveira, o ‘Júnior Moura’, 46, atirou contra a própria cabeça e até o fechamento desta edição estava internado em estado grave no Instituto Doutor José Frota (IJF). Ele teria matado a mulher no sábado e, ontem, invadiu a Prefeitura de Choró, fez Sidney Cavalcante de refém e, após cerca de duas horas, assassinou o político com nove tiros.

 

O homem invadiu o Centro Administrativo Expedito Quirino Borges , sede da Prefeitura de Choró, fez o vice-prefeito de refém e assassinou o político a tiros.

O homem invadiu o Centro Administrativo Expedito Quirino Borges , sede da Prefeitura de Choró, fez o vice-prefeito de refém e assassinou o político a tiros.

 

As investigações do crime estão a cargo da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE). Conforme o delegado Leonardo Barreto, da Especializada, uma carta encontrada no apartamento onde Elisângela e Júnior moravam, pode ajudar a Polícia a elucidar as motivações para os dois homicídios.

 

Invasão

 

Por volta das 11h de ontem, a Polícia recebeu o chamado que um homem havia invadido o Centro Administrativo Expedito Quirino Borges, em Choró, a aproximadamente 151 quilômetros de Fortaleza. O suspeito, que portava um revólver de calibre 38, teria feito reféns no local e estava trancado no gabinete do vice-prefeito com o gestor.

 

Agentes das polícias Civil e Militar foram ao Centro Administrativo. Sob o comando da delegada Anna Claudia Nery, teve início uma negociação com o homem, que apresentou-se como Júnior Moura.

A conversa, por telefone, durou aproximadamente duas horas. À autoridade policial, o homem disse que havia matado a mulher em Fortaleza e que iria assassinar o político pois suspeitava de um romance envolvendo as duas vítimas.

 

Veja depoimento da delegada contando sobre a cena do crime

 

Júnior dizia manter quatro pessoas sob a mira da arma. Foram então ouvidos disparos efetuados dentro do gabinete. A Polícia entrou na sala e encontrou o vice-prefeito, já sem vida com nove tiros no corpo, sendo três na cabeça e seis no tórax, e Júnior Moura, ferido com uma lesão a bala na cabeça. Foram encontradas 14 cápsulas de calibre 38, sendo 12 deflagradas e duas intactas. Júnior Moura foi socorrido em estado grave para um hospital da região e depois transferido para o IJF, em Fortaleza, onde permanecia internado em estado grave até o fechamento desta edição.
Com a informação dada pelo suspeito, a DHPP foi até o apartamento do casal, localizado na Avenida Augusto dos Anjos, bairro Parangaba, na Capital. No endereço, o corpo de Elisângela foi encontrado congelado, dentro de um freezer. O delegado Leonardo Barreto, da DHPP, que esteve no apartamento, informou que a mulher apresentava lesões no pescoço, o que leva a Polícia a crer que ela teria sido estrangulada. “O apartamento não tem sinais de arrombamento, não estava desorganizado, não denotava ter ocorrido luta corporal entre o casal. Vestígios foram recolhidos e analisados de maneira mais aprofundada”, disse.

 

Na cena do crime, contudo, um objeto também chamou a atenção dos investigadores. Um caderno foi encontrado em que havia escrita uma carta, supostamente redigida por Júnior Moura, em que o autor pedia desculpas à família da vítima pelo assassinato da mulher. Os dois filhos do casal, um menino e uma menina de aproximadamente nove anos, conforme a Polícia, estariam com parentes.

 

Pessoas que conheciam o casal diziam não acreditar no que havia acontecido. Conforme os relatos dos populares, Elisângela e Júnior, naturais de Jaguaretama e que moravam no apartamento há menos de um ano, não costumavam brigar. Conforme relatos, no entanto, Júnior Moura teria dito a alguns amigos que vinha pensando em morar sozinho. Amigos da família relataram que Júnior Moura teria sido visto na cidade natal, Jaguaretama, no fim de semana, supostamente depois de ter matado a mulher.

 

Manifestações

 

Ontem, o prefeito de Choró, José Antônio Rodrigues Mendes, declarou luto de três dias no Município pela morte de Sidney. Em Fortaleza, o deputado Elmano de Freitas (PT), que presidia a sessão na Assembleia Legislativa (AL), pediu ao plenário um minuto de silêncio em homenagem à vítima. O velório do vice-prefeito está marcado para hoje, no próprio Centro Administrativo onde o gestor foi morto.

 

Diário do Nordeste

Comentários