Mortes violentas caem 26,3% em Fortaleza; porém o Cariri registrou alta

Mortes violentas caem 26,3% em Fortaleza; porém o Cariri registrou alta

PUBLICIDADE
3 jun 2015
O governador Camilo Santana entregou , ontem, as viaturas que serão utilizadas pelo BPRaio, na Região do Cariri, e do Batalhão de Divisas. FOTO: NATINHO RODRIGUES / DN

O governador Camilo Santana entregou , ontem, as viaturas que serão utilizadas pelo BPRaio, na Região do Cariri, e do Batalhão de Divisas. FOTO: NATINHO RODRIGUES / DN

O número de mortes violentas ocorridas no mês de maio, em Fortaleza, caiu 26,3% em comparação com igual período do ano passado. No Estado inteiro a queda foi de 10%. De janeiro a maio deste ano no Ceará foram registrados 1.735 Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs), que englobam homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. O número também representa uma redução de 11,4% em comparação com 2014, quando ocorreram 1.958 casos. A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) admite que, embora as estatísticas mostrem uma queda, o número ainda é alto.

 

Durante o mês de maio, dos quatro territórios em que o Estado é dividido pela SPPDS (Fortaleza, Região Metropolitana, Interior Norte e Interior Sul), apenas a área denominada Fortaleza conseguiu reduzir os índices de mortes violentas. Foram 132 crimes desta natureza neste ano, contra 179 no ano passado.

 

A Região Metropolitana e o Interior Sul registraram acréscimo de CVLIs. A maior elevação aconteceu no Interior Sul, com um aumento de 10,9%. A região já tinha sido citada como problemática em outras oportunidades pela cúpula da SSPDS. Em fevereiro, chegou a ser alvo de uma força-tarefa que combatia os índices de criminalidade.

 

O titular da SSPDS, Delci Teixeira, disse que estão sendo adotadas medidas para que as Áreas Integradas de Segurança (AISs) do Interior Sul consigam bons resultados. A interiorização do Batalhão de Policiamento de Rondas de Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio), da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) e a criação atuação do Batalhão de Divisas, fazem parte destas medidas. “Temos sim um problema no Interior Sul, mas estamos tentando reverter. Acredito que nossas ações trarão respostas positivas. Isto dá um fôlego nas tropas especiais de Fortaleza, porque não precisaremos mais deslocá-las para o Sul”, declarou Teixeira.

 

O secretário afirmou que os esforços estão acontecendo e já estão demonstrando resultados, mas os planos de combate ao crime estão no começo. “Estamos conseguindo uma redução paulatina, aos poucos. Fundamentalmente, o esforço de nosso pessoal, está sendo o responsável por isto. Os policiais estão se sentindo mais valorizados porque foram ouvidos e se sentiram parte do processo. Estão junto conosco na busca por soluções. Estamos apenas no início de um trabalho, temos muito a fazer ainda”, disse o secretário.

 

Delci Teixeira declarou também que as estatísticas da Região Metropolitana não foram satisfatórios e os do Interior Norte estão em níveis apenas “aceitáveis”. “A Região Metropolitana manteve bom índice nos outros meses, mas em maio desgarrou. Precisamos corrigir isto”.

 

Viaturas

 

O governador Camilo Santana esteve reunido com os comandantes das AISs, ontem. Na ocasião, ele entregou 48 motocicletas e duas viaturas que serão utilizadas pelo BPRaio, na Região do Cariri; e seis viaturas para o Batalhão de Divisas, que começa a atuar na fronteira com o Rio Grande do Norte e o Pernambuco, em julho.

 

Delci Teixeira explicou que a atuação do novo batalhão deverá ser diferenciada, para prevenir a entrada de materiais ilícitos, como drogas e armas no Estado. “Os policiais precisam ter um profundo conhecimento da área onde vão atuar. Eles têm que conhecer os eixos rodoviários que dão acesso ao Estado; e um perfeito conhecimento das estradas vicinais”, ressaltou.

 

Diário do Nordeste

Comentários