Multas de trânsito poderão ser parceladas no cartão de crédito

Multas de trânsito poderão ser parceladas no cartão de crédito

PUBLICIDADE
19 out 2017

Resta agora cada órgão que aplica as multas regulamentar o pagamento (FOTO: Reprodução)

Desde a última quarta-feira (18), os órgãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Trânsito (SNT) estão autorizados a firmar acordos com empresas financeiras a fim de permitir o pagamento de multas de trânsito com cartões de crédito e débito.

 

A Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) já anunciou adesão à nova forma de pagamento, mas ainda toma as medidas cabíveis para permiti-la.

 

Já o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) afirma que irá articular com a Secretaria da Fazenda do Estado a viabilidade da nova resolução. “O Detran entende que se trata de uma medida que facilita, para os proprietários de veículos, a solução de pendências para pagamento de multas de trânsito”, diz nota enviada à imprensa. O Detran já permitia que correntistas do Banco do Brasil e Bradesco tivessem acesso à modalidade de pagamento.

 

O pagamento por cartão permitirá o parcelamento das multas, conforme a resolução 697 do Conselho Nacional de trânsito (Contran), publicada nesta no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (18).

 

O texto altera a Resolução 619, de 2016, que não previa tais formas de pagamento. Até então, somente multas aplicadas a veículos registrados em países estrangeiros possuíam a prerrogativa de pagamento por cartão.

 

O parcelamento poderá englobar uma ou mais multas de trânsito. A partir da aprovação e efetivação do parcelamento estará liberado o licenciamento do veículo e a emissão do Certificado de Registro de Licenciamento do Veículo (CRLV).

 

“Antes dessa norma, alguns órgãos de trânsito adotaram o parcelamento das multas de trânsito diretamente por meio de documentos de arrecadação. Muitos proprietários de veículos buscavam o parcelamento como forma inicial de regulamentar a situação do veículo e obter o documento de licenciamento ou possibilidade de transferência, sem arcar com o compromisso de quitar as demais parcelas”, afirma o diretor do Departamento Nacional de Trânsito e presidente do Contran, Elmer Vicenzi.

 

Tribuna do Ceará

Comentários