Nova pesquisa mostra Tasso com 53%; Mauro tem 18%

PUBLICIDADE
16 ago 2014
O ex-senador Tasso Jereissati (PSDB) termina a primeira fase da sua campanha para retornar ao Senado com mais da metade das intenções de voto no Ceará, segundo a pesquisa O POVO/Datafolha.

O ex-senador Tasso Jereissati (PSDB) termina a primeira fase da sua campanha para retornar ao Senado com mais da metade das intenções de voto no Ceará, segundo a pesquisa O POVO/Datafolha.

O ex-senador Tasso Jereissati (PSDB) termina a primeira fase da sua campanha para retornar ao Senado com mais da metade das intenções de voto no Ceará, segundo a pesquisa O POVO/Datafolha, feita em parceria com o jornal Folha de S.Paulo. O tucano tem 53% das intenções de voto, contra 18% de Mauro Filho (Pros), seu adversário mais próximo. A pesquisa mostra o retrato da campanha às vésperas do início do horário eleitoral de televisão e rádio, que começa na próxima terça-feira, 19.

 

As duas mulheres nesta disputa estão tecnicamente empatadas. Candidata pelo PSTU, Raquel Dias alcançou 5%, enquanto Geovana Cartaxo (PSB) aparece com 3% das intenções de voto. Eleitores que dizem votar em branco, nulo ou em nenhum dos candidatos somam 9%. Os que dizem não saber em quem votar somam 10%. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

 

O Datafolha ouviu 1.108 eleitores em 41 municípios do Ceará. A pesquisa foi realizada entre segunda e quarta-feira desta semana. Tasso tem maior vantagem entre os eleitores com menor renda. Fica entre 55% e 56% nas faixas com até cinco salários mínimos mensais por família. Entre cinco a 10 salários mínimos, tem sua menor diferença em relação ao segundo colocado: 36% a 30% de Mauro, no limite da variação da margem de erro de três pontos para mais ou para menos. É o melhor desempenho do candidato do Pros entre todos os setores.

 

O resultado de Tasso também é melhor entre quem tem menos escolaridade e piora na medida em que avança o nível educacional. Tem 57% no segmento com ensino médio e vai a 46% entre os que têm nível superior. Mauro faz o movimento oposto e sai de 17% entre os que têm nível fundamental para 21 entre os que têm nível universitário.

 

Tasso tem ainda os percentuais mais baixos entre os mais velhos (51% junto aos que têm60 anos ou mais) e, principalmente, os mais jovens – 40% na faixa com 16 a 24 anos. Nesse último segmento, Mauro Filho tem seu melhor resultado entre as faixas de idade: 25%.

 

A pesquisa está registrada com os números os números CE-00013/2014 e BR-00356/2014.

 

METODOLOGIA
A pesquisa O POVO/Datafolha é levantamento estratificado por sexo e idade, com sorteio aleatório entre eleitores do Ceará com 16 anos ou mais. Entre a última segunda-feira, 11, e quarta-feira, 13, foram entrevistados 1.108 eleitores em 41 municípios. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos, com nível de confiança de 95%. Isto significa que se fossem realizados 100 levantamentos com a mesma metodologia, em 95 os resultados estariam dentro da margem. O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com os números CE-00013/2014 e BR-00356/2014.

 

A REPRESENTAÇÃO CEARENSE NO SENADO
Diferentemente da eleição de quatro anos atrás, em 2014 será eleito apenas um senador para representar o Ceará. A definição ocorre em turno único. Ou seja, mesmo que não tenha mais da metade dos votos válidos, o mais votado no dia 5 de outubro será eleito.

 

Será renovada neste ano a vaga que hoje pertence a Inácio Arruda (PCdoB), candidato a deputado federal. Quem for eleito agora se juntará ao atual senador José Pimentel (PT).

 

A outra vaga pertence a Eunício Oliveira (PMDB), que concorre a governador do Ceará. Se ele for derrotado, ficará no Senado por mais quatro anos, até 2019, quando haverá a renovação das duas outras vagas. Se vier a ser eleito governador, Eunício terá de renunciar ao Senado, assumindo a vaga seu primeiro suplente, Waldemir Catanho (PT), ex-coordenador político da Prefeitura de Fortaleza na gestão Luizianne Lins (PT). O petista, nesta hipótese, cumpre mandato de 2015 até o começo de 2019.

 

O Povo

Comentários