O Açude Cachoeira está agonizando

O Açude Cachoeira está agonizando

PUBLICIDADE
12 maio 2015

Pedro Guedes*

 

o “Cachoeira” apresenta um dos índices mais baixos da sua história, desde a abençoada inauguração, operando com um volume de água de apenas 25,81% de sua capacidade. FOTO: REPRODUÇÃO / PANORÂMICO

o “Cachoeira” apresenta um dos índices mais baixos da sua história, desde a abençoada inauguração, operando com um volume de água de apenas 25,81% de sua capacidade. FOTO: REPRODUÇÃO / PANORÂMICO

 

Sem qualquer exagero, podemos dizer que o Açude Cachoeira de Aurora, principal reservatório hídrico da terra do Senhor Menino Deus, está agonizando diante das poucas chuvas caídas em 2015. Infelizmente, essa possibilidade já é aceita, principalmente por aqueles que conhecem a real situação do açude. Hoje, o “Cachoeira” apresenta um dos índices mais baixos da sua história, desde a abençoada inauguração, operando com um volume de água de apenas 25,81% de sua capacidade.

 

Já existe um alerta das autoridades locais que, continuando nessa situação, o reservatório seca em 2016. E aí, vamos retornar a prática do consumo da água do Rio Salgado? Se isso acontecer, estamos diante de uma catástrofe hídrica para a nossa população. Não haverá alternativa. Como dizia em viva voz, o saudoso Pe. Vicente Luiz dos Santos: “A maior obra do Município de Aurora é o Açude Cachoeira.” Mas, ele está secando…

 

Agora, o que fazer? Bom, primeiramente, as previsões climáticas para os próximos anos não são nada animadoras. Ainda poderemos ter anos de seca seguidos. Feito isso, a principal recomendação é economizar água. Aliás, essa é a principal palavra de ordem desse século XXI, até porque a escassez de água já é praticamente, um fato generalizado.

 

Em breve, estaremos passando por racionamento de água e não é nenhuma profecia. É fato, a exemplo de muitos municípios do Ceará. Em nossa região, o mais castigado com a estiagem é Caririaçu, onde o Açude São Domingos está praticamente seco. A instalação da adutora é a única providência governamental, onde o Estado deve investir recursos, que ajudaria e muito no aproveitamento do líquido precioso e, consequentemente, na sua qualidade. Esse projeto remonta de muitos anos, esquecido nas prateleiras da Administração Pública, num puro descaso.

 

Neste sentido, o prefeito Adailton Macêdo, preocupado com esta problemática, entregou pessoalmente ofício ao Governador Camilo Santana, cobrando a instalação dessa adutora. Hoje, sem esse equipamento, a água que sai do Açude Cachoeira corre em um riacho a céu aberto. É desse “canal” com cerca de 3km de extensão que se obtém a água que abastece a Sede do Município, onde uma boa parte se perde pelo caminho, aumentando ainda mais o desperdício. Além disso, os riscos de contaminação da água são evidentes, exigindo um tratamento mais intenso por parte da estação bombeadora.

 

Como se não bastasse, temos ainda um outro agravante: o rompimento constante da rede de abastecimento em diversas artérias da cidade, dá um prejuízo incalculável aos consumidores que, às vezes, nem chegam a imaginar o tamanho da perda hídrica. Os canos que fazem a distribuição estão velhos demais e não aguentam a força da água, no momento da vazão. Pelo visto, o drama do Açude Cachoeira é muito mais grave do que se pensa, pois, além da estação climática ser desfavorável, o desperdício desse líquido é uma triste realidade.

 

*Colaboração e Revisão: Dr. Idemário Oliveira

 

ASSUNTOS RELACIONADOS:

»20 mar 2015

Se não houver recarga, Açude Cachoeira estará

seco em dezembro de 2016, aponta relatório da Cogerh

»20 out 2014

Cogerh aumentará vazão do Açude Cachoeira

para atender demanda

»1 jul 2014

Cerca de 12 toneladas de peixes morreram no Açude

Cachoeira de Aurora. O prejuízo pode chegar a R$ 80 mil

» 1 jul 2014

Criadores somam prejuízos após morte de

aproximadamente 12 toneladas de peixes no Açude Cachoeira

Comentários