O destino dos que não foram contemplados na chapa governista

PUBLICIDADE
3 jul 2014

Quem-e-quem-na-disputa-pelo-poder

Fechado o quadro de candidatos para a eleição estadual, aqueles que não tiveram seus desejos atendidos pelo governador Cid Gomes (Pros) nas disputas pelo governo e Senado já sabem o que o futuro lhes traz. O vice-governador Domingos Filho (Pros) vai virar conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios. Zezinho Albuquerque (Pros), presidente da Assembleia Legislativa, concorrerá de novo a deputado. E o senador Inácio Arruda (PCdoB) não será candidato a nada.

Domingos e Zezinho eram opções no Pros à sucessão de Cid, junto com o deputado estadual Mauro Filho, a ex-secretária da Educação Izolda Cela e o ex-ministro dos Portos Leônidas Cristino. Mas, um dia antes da convenção do Pros, Cid acabou escolhendo o petista Camilo Santana, após o PT, em troca, retirar a candidatura do deputado federal José Guimarães ao Senado, que algumas legendas da base relutavam em aceitar.

“Sonho antigo” do TCM

Por acordo fechado pelo governador, Domingos ocupará a vaga do conselheiro Artur Silva Filho no TCM. Ele sairia do tribunal compulsoriamente em março de 2015, quando completa 70 anos, mas deverá se aposentar ainda neste ano.

Segundo o deputado federal Domingos Neto (Pros), filho do vice-governador, o pai vai realizar “o sonho antigo” de ir para o TCM. O cargo de conselheiro é vitalício e rende salário superior a R$ 25 mil.

“Em 2005 ele inclusive disputou dentro da Assembleia essa indicação”, disse Neto ontem ao Blog do Eliomar. O acordo também prevê que Odilon Aguiar, primo de Domingos Filho e ex-prefeito de Tauá, será candidato a deputado estadual.

Zezinho, como apurou O POVO, havia sido convidado por Cid a assumir a candidatura de vice-governador, mas preferiu tentar a reeleição na Assembleia. A vice ficou com Izolda Cela.

“Vários amigos, prefeitos, presidentes de partidos me incentivaram a continuar. Participamos de um projeto, e nesse momento o Camilo é quem representa o projeto”, disse Zezinho ontem, negando insatisfação por não estar no lugar do petista.
Já o PCdoB anunciou ontem, em nota, que “travou o bom combate” até a noite de segunda-feira, último dia para a definição dos candidatos, tentando encaixar Inácio na chapa como nome ao Senado. Mesmo que o posto tenha ficado com Mauro Filho (Pros), o PCdoB promete apoio aos candidatos do governo.
“Quanto a Inácio, principal quadro político do PCdoB no Ceará e destacada liderança nacional, mesmo após concluir seu mandato no Senado federal, continuará com altivez, dignidade e elevado espírito público prestando inestimáveis serviços ao Ceará e ao Brasil”, afirmou o partido.

Fonte: O Povo

Comentários