Paciente é morto e médico ferido durante atendimento em hospital na cidade de Cascavel

PUBLICIDADE
18 jul 2016
O atendimento na emergência do Hospital Nossa Senhora das Graças foi temporariamente suspenso durante a tarde de ontem, segundo o Sindicato dos Médicos do Ceará.  Foto: Reprodução / blogdodiomararaujo

O atendimento na emergência do Hospital Nossa Senhora das Graças foi temporariamente suspenso durante a tarde de ontem, segundo o Sindicato dos Médicos do Ceará. Foto: Reprodução / blogdodiomararaujo

Um paciente foi morto e um médico baleado durante atendimento no hospital de Cascavel, na manhã de ontem. O homem foi executado enquanto era socorrido, após se envolver em uma briga num posto de combustível. Segundo a Polícia, o pintor Mauremberg dos Santos de Moura, 26, foi ferido na cabeça e encaminhado ao Hospital e Maternidade Nossa Senhora das Graças, onde foi atendido pelos médicos de plantão.

 

Durante o procedimento de sutura do ferimento, dois homens entraram no hospital. Um deles foi até a sala em que Mauremberg estava sendo atendido e efetuou vários disparos na cabeça dele. A Perícia Forense do Ceará (Pefoce) constatou dez lesões no corpo da vítima.

 

Um dos disparos realizados na Emergência do hospital atingiu o médico Eduardo de Lima, na coxa. Ele foi transferido para Fortaleza e passou por um procedimento cirúrgico para a retirada do projétil. Ainda na noite de ontem, o profissional teve alta.

 

Atendimento

 

O atendimento na emergência do Hospital Nossa Senhora das Graças foi temporariamente suspenso durante a tarde de ontem, segundo o Sindicato dos Médicos do Ceará. A assistência aos pacientes que já estavam internados foi mantida. A médica Mayra Pinheiro, presidente do Sindicato, declarou que as atividades foram integralmente retomadas com a chegada de um policial militar para fazer a segurança do hospital.

 

“Nos informaram que o policial foi deslocado de Fortaleza para lá para acompanhar o plantão. Faremos uma reunião com a Prefeitura para que seja garantida a presença definitiva de um profissional para a segurança dos médicos e pacientes”, declarou Mayra Pinheiro.

 

A médica disse também que a categoria se mobilizará em uma passeata pedindo segurança ao Governo. “Todos os dias recebemos queixas de médicos que sofrem agressões ou passam por perigos iminentes nos hospitais. Nos ‘Frotinhas’ e ‘Gonzaguinhas’ de Fortaleza não é difícil ouvirmos relatos de balas sendo disparadas nos corredores”.

 

diario do nordeste

Comentários