Padre Cícero recebe o perdão da Igreja e fiéis comemoram

Padre Cícero recebe o perdão da Igreja e fiéis comemoram

PUBLICIDADE
14 dez 2015

O dia do perdão ao Padre Cícero Romão Batista pela Igreja Católica finalmente chegou. Por meio de uma carta-mensagem, foi anunciada a reconciliação do Vaticano, pelo papa Francisco, ao sacerdote das grades romarias nordestinas, na manhã de ontem, em celebração presidida pelo bispo diocesano dom Fernando Panico, no Crato, do início do ano do Jubileu da Misericórdia, na Sé. Foram necessários mais de 100 anos para que isso ocorresse. As perseguições começaram em 1889, com o propalado milagre do sangramento da hóstia ofertada pelo padre à beata Maria de Araújo.

 

Após o anúncio do bispo, no meio da celebração, com a presença dos padres da Diocese do Crato, a imagem do "patriarca dos romeiros" adentrou a Porta Santa da Misericórdia, um quadro com a sua foto pintada. FOTO: ELIZANGELA SANTOS

Após o anúncio do bispo, no meio da celebração, com a presença dos padres da Diocese do Crato, a imagem do “patriarca dos romeiros” adentrou a Porta Santa da Misericórdia, um quadro com a sua foto pintada. FOTO: ELIZANGELA SANTOS

O dia, considerado histórico para os fiéis do Padre Cícero Romão Batista, representa um grande passo para o andamento do processo de reabilitação das ordens sacerdotais do sacerdote, que morreu aos 90 anos, no ano 1934. A carta é datada do dia 20 de outubro e vinha sendo aguardado o momento para que esse anúncio fosse feito. Há alguns anos, movimentos em prol da reabilitação surgiram, exigindo posicionamento da Igreja da campanha empreendida pela Associação dos Amigos e Devotos do Padre Cícero (AADPAC).

 

Após o anúncio do bispo, no meio da celebração, com a presença dos padres da Diocese do Crato, a imagem do “patriarca dos romeiros” adentrou a Porta Santa da Misericórdia. Um quadro com a sua foto pintada, conduzido pelo frei Raimundo Barbosa, do Santuário dos Franciscanos, e o padre da Basílica de Nossa Senhora das Dores, Joaquim Cláudio de Freitas, sob os aplausos de uma multidão de fiéis que lotava a Igreja.

 

O bispo, durante a celebração, leu trechos da carta-mensagem do papa Francisco, sobre a reconciliação histórica com a memória do sacerdote, em que o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, afirmou ter sido redigida por expressa vontade do papa. “Pode-se perceber que a memória do Padre Cícero se mantém, no conjunto de boa parte do catolicismo deste País, e, dessa forma, valorizá-la desde um ponto de vista eminentemente pastoral e religioso, como um possível instrumento de evangelização popular”, diz.

 

O bispo dom Panico afirma que essa a reconciliação da Igreja olha para o sacerdote, não como um suspeito. “Mas o Papa, com a autoridade que ele tem, depois dos estudos feitos, e todo o aconselhamento que houve, escutou a voz da misericórdia, e não a voz da divisão”.

 

O intenso amor do Padre Cícero pelos mais pobres e por sua inquebrantável confiança em Deus são enfatizados na carta. Vários tópicos dos escritos do cardeal Pietro Parolin foram destacados pelo bispo, escolhidos para serem lidos no Ano Santo da Misericórdia.

 

No próximo dia 20 de dezembro haverá uma grande celebração na Capela do Socorro, onde estão sepultados os restos mortais do Padre Cícero. Em uma missa campal, às 6h, o bispo dom Panico irá fazer o anúncio oficial para toda a nação Romeira da reconciliação da Igreja Católica com o religioso.

 

Diário do Nordeste

Comentários