Petrobras reajusta gás de cozinha em 12,9%, a parir desta quarta (11)

PUBLICIDADE
11 out 2017

FOTO: DIVULGAÇÃO

A Petrobras anunciou, na manhã de ontem (10), que fará um reajuste de 12,9% no preço do gás de cozinha (GLP) para uso residencial nas refinarias. O novo valor começa a ser cobrado dos distribuidores a partir de hoje. Com o aumento, o preço do gás acumula uma alta média de 61,9% no ano. Este é o segundo aumento do tipo em menos de um mês. No ano, foram 7 (sete) reajustes, sendo 6 (seis) de alta. Convém destacar, também, que independentemente dos reajustes da Petrobras, ainda têm os aumentos de impostos (ICMS, estaduais) que, em regra, são atualizados quinzenalmente.

 

De acordo com o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), o reajuste do GLP para embalagens de até 13 quilos irá oscilar entre 7,8% e 15,4%, variando de acordo com o polo de suprimento.

 

“A correção aplicada não repassa integralmente a variação de preços do mercado internacional, com isso, o Sindigás calcula que o preço do produto destinado a embalagens até 13 quilos ficará 6,08% abaixo da paridade de importação, o que inibe investimentos privados em infraestrutura no setor de abastecimento”, disse, em nota, o sindicato dos distribuidores.

 

Repasse ao consumidor

 

A Petrobras estima que, se o reajuste for integralmente repassado aos preços ao consumidor, o valor do botijão de 13 quilos pode ser reajustado, em média, em 5,1% o que equivale a cerca de R$ 3,09 por botijão; isso se forem mantidas as margens de distribuição e de revenda e as alíquotas de tributos.

 

Segundo a estatal, o percentual de reajuste foi calculado de acordo com a política de preços divulgada em 7 de junho, e reflete, principalmente, a variação das cotações do produto no mercado internacional. Segundo fontes do mercado o repasse para o consumidor final poderá chegar a R$ 5,00 por P 13.

 

Últimas altas

 

A última alta nas refinarias, que entrou em vigor em 26 de setembro, foi de 6,9%. Desde que a empresa revisou sua política de reajustes para o GLP, em junho, houve aumento de 47,4%, já considerando o reajuste de hoje.

 

Diário do Nordeste

Comentários