PF investiga desvio de R$ 200 mihões da transposição do São Francisco

PF investiga desvio de R$ 200 mihões da transposição do São Francisco

PUBLICIDADE
11 dez 2015

A Polícia Federal (PF) deflagrou, na manhã desta sexta (11), a operação Vidas Secas – Sinhá Vitória, para prender suspeitos de participar de um esquema de superfaturamento das obras de engenharia executadas para a transposição do Rio São Francisco.

 

Investigação de superfaturamento aponta nomes de doleiros da Lava Jato. São cumpridos 24 mandados de busca e 4 de prisão em 8 estados e no DF. (Foto: Taisa Alencar/G1)

Investigação de superfaturamento aponta nomes de doleiros da Lava Jato.
São cumpridos 24 mandados de busca e 4 de prisão em 8 estados e no DF. (Foto: Taisa Alencar/G1)

 

Segundo as investigações, empresários do consórcio OAS/Galvão/Barbosa Melo/Coesa utilizaram empresas de fachada para desviar cerca de R$ 200 milhões das verbas públicas destinadas às obras, no trecho que vai do agreste de Pernambuco à Paraíba. O consórcio cuidava de dois lotes dos 14 envolvidos na transposição do São Francisco. Os contratos investigados até o momento são de R$ 680 milhões.

 

Ainda de acordo com a PF, algumas empresas ligadas à organização estariam em nome do doleiro Alberto Youseff e de um lobista de nome ainda não divulgado, investigados na Operação Lava Jato.

 

Ao todo, serão cumpridos 32 mandados judiciais nos estados de Pernambuco, Goiás, Mato Grosso, Ceará, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Bahia e Brasília, sendo quatro mandados de prisão no Rio de Janeiro, Distrito Federal, São Paulo e Goiás, quatro mandados de condução coercitiva no Rio Grande do Sul, em São Paulo e Goiás. Ainda há 24 mandados de busca e apreensão, sendo sete em Pernambuco.

 

No Recife, a Polícia irá cumprir mandados nos bairros de Boa Viagem, Coelhos e Graças. Ainda há atuação da PF nos municípios de Sertânia e Salgueiro, no Sertão do Estado. Os investigados irão responder pelos crimes de associação criminosa, fraude na execução de contratos e lavagem de dinheiro.

 

A reportagem do G1 entrou em contato com cinco empresas listadas pela PF em endereços pernambucanos. A Concremat Engenharia e Tecnologia S/A e a A Galvão Engenharia, ambas com sede em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife,atenderam às chamadas, mas não disponibilizaram porta-vozes para comentar sobre o assunto. A OAS Engenharia, também em Boa Viagem, ainda não se posicionou sobre a operação da PF. A Arcadis Logos S/A, no bairro dos Coelhos, área central da cidade, não atendeu às chamadas. A Ecoplan Engenharia Ltda., sediada no bairro das Graças, na Zona Norte, não quis falar com a reportagem.

 

A transposição

 

Orçado em R$ 8,2 bilhões, o projeto, de iniciativa federal, tem o objetivo de garantir o abastecimento de água para 390 municípios dos estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte, beneficiando aproximadamente 12 milhões de habitantes. Iniciada em 2006, a obra tinha orçamento inicial de R$ 4,5 bilhões e, devido aos atrasos, teve o custo praticamente dobrado. Segundo o Ministério da Integração Nacional, a demora na entrega dos trechos acontece devido à burocracia na escolha das empresas e na adaptação dos projetos iniciais.

 

Através da construção de quatro túneis, 14 aquedutos, nove estações de bombeamento e recuperação de 23 açudes existentes na região do Nordeste Setentrional, a transposição visa a beneficiar, com as águas do Rio São Francisco, 11 bacias da região com oferta hídrica per capita inferior à considerada ideal pela Organização das Nações Unidas (ONU).

 

Aproximadamente R$ 1 bilhão do total de investimentos está destinado para programas básicos ambientais. Segundo dados do mês de outubro, as obras do Projeto de Integração do Rio São Francisco apresentam 81% de execução física. Atualmente, há 10.141 trabalhadores contratados para atuarem no empreendimento. Para aperfeiçoar o gerenciamento, o Ministério da Integração Nacional implantou, em 2011, um outro modelo de monitoramento, licitação e contratação para os seis trechos de obras.

 

G1

Comentários