Preço da gasolina comum chega a R$ 3,69 na região do Cariri

Preço da gasolina comum chega a R$ 3,69 na região do Cariri

PUBLICIDADE
20 nov 2014
Em Juazeiro do Norte, o preço da gasolina comum varia entre R$ 3,12 e R$ 3,69 o litro. (Foto: Bruno Gomes/DN)

Em Juazeiro do Norte, o preço da gasolina comum varia entre R$ 3,12 e R$ 3,69 o litro. (Foto: Bruno Gomes/DN)

Variações desproporcionais de preços, valor superior ao cobrado em postos da Capital e incerteza em relação à qualidade do combustível. Estas são as principais reclamações de proprietários de veículos automotores na região do Cariri, descontentes com o que chamam de “abuso” cometido por proprietários de postos de gasolina, principalmente nos municípios de Juazeiro do Norte e Crato. Conforme a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), em Juazeiro do Norte, o preço da gasolina comum varia entre R$ 3,12 e R$ 3,69 o litro. Já em Crato, o preço do produto oscila entre R$ 3,19 e R$ 3,69.

 

Segundo os proprietários dos postos de combustíveis, o que é repassado ao consumidor é proveniente do valor cobrado pela Petrobras, acrescido de um percentual de lucro, que varia entre 7% e 10%. A gerente administrativa de uma empresa que administra dois postos de combustíveis em Crato, que pediu para não ser identificada, disse que para as empresas a venda de combustíveis, sobretudo a gasolina comum não tem gerado lucratividade aos postos de combustíveis. A administradora afirmou, ainda, que a realização de reduções no valor ora cobrado poderia acarretar no fechamento de algumas empresas no Interior.

 

“Os postos estão trabalhando com uma margem de lucro muito pequena. Esse valor que é discutido pelos consumidores vem, praticamente, repassado pelo governo federal. As empresas trabalham numa margem de lucro de apenas 10%, o que significa apenas alguns centavos de rentabilidade”, afirmou ela, ressaltando que as empresas ao adquirirem o combustível da Petrobras realizam o pagamento à vista enquanto que o número de clientes a prazo é considerável.

 

“Nós trabalhamos com prazo de pagamento para 30 e até 60 dias. Também parcelamos no cartão de crédito e alguns clientes também realizam vales. É complicado administrar postos de combustíveis no atual momento”, afirma a administradora.

 

Para o consumidor, no entanto, o valor final do produto tem gerado inúmeros dissabores. O Sargento PM Ednaldo Moura avalia que o fato de muitos postos de combustíveis existentes na região pertencerem a um único proprietário ou a um grupo de empresários associados, acaba impedindo que haja concorrência de mercado no Cariri. “São muitos postos em poder de poucos empresários. Em Barbalha, por exemplo, um empresário possui dezenas de postos. De que adianta para o consumidor a existência de vários postos de combustíveis sendo de uma mesma pessoa? Onde fica a concorrência de preços nesta situação?”, questiona o consumidor.

 

Diário do Nordeste

Comentários