Um ano após inauguração, Hospital de Quixeramobim tem verba para abrir

Um ano após inauguração, Hospital de Quixeramobim tem verba para abrir

PUBLICIDADE
31 dez 2015
Gargalo para funcionamento do hospital, custeio federal foi garantido ontem em reunião entre Camilo e Marcelo Castro. DIVULGAÇÃO/GOVERNO DO CEARÁ

Gargalo para funcionamento do hospital, custeio federal foi garantido ontem em reunião entre Camilo e Marcelo Castro. DIVULGAÇÃO/GOVERNO DO CEARÁ

Inaugurado há mais de um ano, o Hospital Regional do Sertão Central recebeu ontem sinalização de que enfim terá recursos para iniciar seu funcionamento. Em reunião com Camilo Santana (PT) em Brasília, o ministro Marcelo Castro (Saúde) garantiu custeio federal de 50% do hospital, que deve abrir as portas no 1º trimestre de 2016.

 

A unidade, conhecida como Hospital de Quixeramobim, seguia inativa desde 28 de dezembro de 2014, quando ocorreu “visita inaugural” do ex-governador Cid Gomes (PDT). A atual gestão vinha tentando garantir apoio federal na manutenção do hospital, que custará R$ 100 milhões por ano.

 

“Solicitei ao ministro a garantia dos recursos de 50% do custeio para colocarmos em funcionamento o hospital, algo que já estava acordado antes da troca no ministério. Agora, ele garantiu a liberação para o início do ano. A unidade é muito importante não só para o Sertão Central, mas para todo o nosso estado”, disse Camilo Santana.

 

Ao lado do secretário Mauro Filho (Fazenda), Camilo se reuniu com Castro e com o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa. Segundo a Secretaria de Saúde do Estado (Sesa), 4% da obra do hospital ainda está em execução.

 

Nesta segunda-feira, quando a obra completou um ano de “inauguração”, concursados que esperam nomeação na unidade fizeram protesto pela abertura do hospital. Sem a unidade, população ainda precisa recorrer a Fortaleza – cidade a 206km – para procedimentos complexos.

 

Obra polêmica

 

Inatividade do hospital de Quixeramobim tem motivado uma série de embates na Assembleia e entre a bancada cearense na Câmara Federal. Segundo o deputado federal Danilo Forte (PSB), unidade não funciona por “má gestão”.

 

Em outubro, o deputado Ivo Gomes (Pros), ex-secretário de Camilo e irmão de Cid, criticou a gestãopor não reverter o quadro. “Eu não engulo a desculpa de que o governo não tem dinheiro para o custeio. Tem que se virar! Tem dinheiro sim! Eu sei que tem”, disse, surpreendendo membros da base aliada e oposição.

 

Unidade com investimento de R$ 87,7 milhões, o Hospital Regional do Sertão Central tem capacidade para atender mais de 400 pessoas por dia, de vinte cidades da região. Com perfil para realizar operações de alta complexidade, o Hospital possui nove salas de cirurgia, 209 leitos de internação geral e 60 leitos de UTI.

 

Inicialmente cotado para ser instalado em Quixadá – pela centralidade e maior tamanho do município -, o hospital acabou transferido para Quixeramobim em votação entre conselhos de saúde e prefeituras da região. Nos bastidores, no entanto, se comenta que a transferência ocorreu por influência política do deputado José Guimarães (PT), natural de Quixeramobim.

 

Saiba mais

 

O Hospital do Sertão Central é a 3ª unidade Regional do Estado. Ação da gestão Cid Gomes, a rede é elogiada por descentralizar investimentos de Saúde da Capital para o interior.

 

A ação, no entanto, recebe críticas pois pensaria apenas em “prédios”, sem levar em conta o custo de manutenção.

 

Este ano, por exemplo, foi aprovado empréstimo de R$ 123 milhões para construção de novo Hospital, apesar de a unidade de Quixeramobim estar parada há um ano.

 

O Povo

Comentários