Verbas de alfabetização são suspensas no Estado

Verbas de alfabetização são suspensas no Estado

PUBLICIDADE
31 ago 2016
Dados da Secretaria da Educação do Estado do Ceará (Seduc) revelam que 84,6% dos estudantes cearenses encontram-se alfabetizados ao término do 2º ano do ensino médio (Foto: Daniel Aragão/Diário do Nordeste)

Dados da Secretaria da Educação do Estado do Ceará (Seduc) revelam que 84,6% dos estudantes cearenses encontram-se alfabetizados ao término do 2º ano do ensino médio (Foto: Daniel Aragão/Diário do Nordeste)

O governo interino do presidente Michel Temer suspendeu os cadastros para o Programa Brasil Alfabetizado (PBA), projeto criado em 2003 para combater o analfabetismo no País. As secretarias de Educação do Estado do Ceará e do Município de Fortaleza afirmam que ambas estão sem realizar adesões e ativação de novas turmas em projetos.

 

No Ceará, desde 2007, com a proposta de descentralizar as ações do Ministério da Educação (MEC) no Ceará, os 184 municípios passaram a firmar adesão ao Programa, diretamente com MEC. Em 2016, devido à suspensão, as atividades letivas ainda não tiveram início. O MEC nega a suspensão total e afirma que novas turmas serão abertas em novembro deste.

 

Com as verbas do PBA, a Secretaria da Educação do Ceará (Seduc) realiza atendimentos às demandas de turmas apresentadas pelos movimentos sociais, por meio de instituições parceiras, como Comunidades Pesqueiras e Agrícolas (Projeto Pescando Letras); Pastoral da Educação/CNBB (Cidadão de Fé, Protagonista do Amanhã); Projeto Luz do Saber, entre outras.

 

A Unidade Beneficente Coração de Maria (UBCM), por exemplo, atua com a educação de jovens e adultos, e está prevendo finalizar as únicas aulas que hoje ocorrem no Município de Cascavel. A monitora do projeto, Rosângela Lira, afirma que não sabe como os professores e coordenadores vão ser pagos nos próximos meses. “É preciso cinco turmas com 12 alunos cada, para o projeto funcionar. Com o sistema fechado não sabemos como continuar. Os professores recebem R$400, enquanto os coordenadores ganham R$600”. De 2011 até o fim de 2015, o projeto atendeu cerca de 2 mil alunos.

 

Levantamento

 

Segundo avaliação mais recente da Seduc, 84,6% dos estudantes cearenses encontram-se alfabetizados ao término do 2º ano do ensino médio. Em 2007, esse percentual era de apenas 39,9%, conforme a Pasta.

 

Ao Estado, a Pasta informou que o motivo apresentado na ocasião foi a necessidade de adequarem as metas já aprovadas, ao limite orçamentário definido. Ao Município de Fortaleza, em comunicado enviado à Secretaria Municipal de Educação (SME), em janeiro deste ano, o MEC afirmou a suspensão temporária da adesão e da ativação de turmas do Programa Brasil Alfabetizado.

 

No documento, a Pasta também destaca a necessidade de adequar as metas já aprovadas ao limite orçamentário definido para o Programa, de acordo com o estabelecido nos artigos 45 e 46 da Resolução CD/FNDE nº 8, de 24 de setembro de 2015. As normas estabelecem os procedimentos para a transferência de recursos aos estados.

 

Execução

 

Por meio de nota, o MEC informou que “o PBA não está suspenso e encontra-se em execução com 191 entidades executoras em atividade; 17.445 turmas ativadas; 167.971 alfabetizandos; 17.088 Alfabetizadores; 2.902 Coordenadores e 105 Tradutores/Intérpretes de Libras, contemplados. Como o programa não faz parte da grade curricular do ano letivo, ele funciona por ciclo e não por exercício anual. As turmas do programa Brasil Alfabetizado para 2016 foram abertas em outubro de 2015, para execução este ano. Por isso, o novo ciclo 2017 do Brasil Alfabetizado será aberto até novembro”, diz a nota.

 

O Ministério da Educação também informou, por meio da nota, que diagnosticou, da gestão anterior, diversos programas de alfabetização, todos sem planejamento, sem controle e com resultados “inaceitáveis”. Ainda segundo o comunicado, como o PBA não faz parte da grade curricular do ano letivo, ele funciona por ciclo e não por exercício anual.

 

Fonte: Diário do Nordeste

Comentários