Volta de Lula nas eleições de 2018 gera controvérsias entre aliados

Volta de Lula nas eleições de 2018 gera controvérsias entre aliados

PUBLICIDADE
12 jan 2015
Apesar de ainda faltar muito tempo para as eleições de 2018, alguns petistas já sonham com a possibilidade de ver Lula subir a rampa do Planalto pela terceira vez. (Foto: RICARDO STUCKERT/PR)

Apesar de ainda faltar muito tempo para as eleições de 2018, alguns petistas já sonham com a possibilidade de ver Lula subir a rampa do Planalto pela terceira vez. (Foto: RICARDO STUCKERT/PR)

O governo Dilma Rousseff mal começou seu segundo mandato. Entretanto, nomes ligados ao Planalto já anunciam: Lula é o candidato do PT para 2018. “Ele é o meu candidato, sempre foi. Não tem essa discussão no PT. Quem está no coração da militância do PT é Lula”, declarou o ministro-chefe da Casa Civil, Aloízio Mercadante (PT), já descartando seu nome para a disputa.

 

O chefe de gabinete da presidente, Gilberto Carvalho, também deu declarações nesse sentido. “Não sei se ele quer, mas eu quero muito. Lula faz bem ao povo brasileiro”, declarou o então ministro, em 2013, durante entrevista para o Brasil Econômico.

 

A fala, entretanto, encontra críticas dentro do próprio partido. Uma delas vem do vice-presidente da legenda, o deputado federal José Guimarães. “(Esse tipo de fala) é um desserviço ao governo da presidente Dilma”, afirma. Para ela, a função de ministro é “governar o país junto com a presidenta”. A prioridade da legenda, para ele, deve ser a eleição municipal de 2016. Defende ainda que a discussão sobre a sucessão de Dilma é “prematura”.

 

De acordo com Guimarães, não existe discussão interna sobre o tema. “E se tiver, eu vou ser radicalmente contra”, arremata.

 

Entretanto, se um dos vice-presidentes do partido considera a discussão contraproducente, o presidente da legenda, Rui Falcão, já declarou publicamente seu apoio ao retorno de Lula. “Eu pessoalmente sou a favor que o presidente Lula seja candidato em 2018. Naturalmente, isso vai depender, primeiro, da disposição dele. Mas ele tem dito que sempre se colocará à disposição do PT”, declarou antes de café da manhã que reuniu petistas e aliados em São Paulo durante a campanha presidencial do ano passado.

 

Outro que, assim como Guimarães, considera esse tipo de discussão prematura é o também deputado federal André Figueiredo (PDT), membro da executiva nacional de seu partido. Entretanto, ele já adianta: em 2018, o PDT terá candidato próprio. “O partido vive para realizar seus projetos” afirma, completando que “não necessariamente (o PDT) seguirá o PT em tudo”. De acordo com o deputado, tal posição do partido independe “de o candidato ser o Lula ou não”. Ele afirma que partido ainda não tem nomes para encabeçar a chapa para a disputa ao Planalto.

 

“Se me encherem o saco, eu volto”

 

Apesar de, após a eleição, quando questionado pelo jornal Folha de S. Paulo, ter declarado em nota que sua única expectativa para 2018 é “estar vivo”, Lula chegou a declarar em 2013, durante almoço com aliados, que “se me encherem o saco, eu volto”.

 

Prós e contras

 

Pró. A popularidade que o petista mantém mesmo depois de quatro anos fora do governo.

 

Contra. Dificuldades na economia durante a gestão Dilma podem resvalar em sua candidatura.

 

Pró. Tem amplo apoio de setores do empresariado nacional, algo que falta a Dilma.

 

Contra. Demonstra uma dificuldade do PT em renovar seus quadros internos e criar novas lideranças.

 

Pró. Tem grande prestígio internacional, o que pode ser benéfico para retomar o protagonismo do país em áreas que ele se retraiu, como meio ambiente e reforma da ONU.

 

Contra. A idade avançada do ex-presidente – terá 73 anos em 2018 -, somado com o câncer na laringe que teve em 2011, são uma dificuldade.

 

Pró. É mais habilidoso que Dilma na condução da articulação política.

 

Contra. A ex-primeira-dama Marisa Letícia é contrária ao seu retorno ao Planalto.

 

O Povo Online

Comentários