Gastos com publicidade crescem 63% no governo Bolsonaro; Record e SBT passam Globo

Gastos com publicidade crescem 63% no governo Bolsonaro; Record e SBT passam Globo

PUBLICIDADE
16 abr 2019

Os gastos do governo federal com publicidade no primeiro trimestre de 2019 aumentaram 63% em comparação com o mesmo período do ano passado. O levantamento, feito pela UOL, é baseado em dados da Secretaria Especial de Comunicação (Secom), vinculada ao Palácio do Planalto.

 

Presidente Jair Bolsonaro (Foto: EVARISTO SA/ AFP)

 

Em 2018 os gastos com publicidade institucional registrados foram de R$ 44,5 milhões. Em 2019, o mesmo período teve um gasto de R$ 75,5 milhões. Os valores são referentes aos gastos da Secom com o pagamento de agências de publicidade, pesquisas de opinião pública, comunicação digital e repasse a veículos de comunicação em todo o Brasil. O aumento de 63% registrado pelo levantamento leva em conta a correção dos valores pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

 

Se comparado com o ano de 2017, o aumento é ainda maior: a Secom teve gasto de R$ 35 milhões no primeiro trimestre daquele ano. Em comparação com 2019, o crescimento é de 101% (após descontar a inflação).

 

Questionada pela reportagem da UOL, a assessoria de imprensa da Secom informou que os pagamentos feitos no primeiro trimestre são referentes a despesas contratadas no governo Temer, e que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) autorizou, até agora, o gasto de R$ 12 milhões referentes à campanha publicitária da reforma da Previdência.

 

Além do aumento dos gastos, também foi observado que a Record superou a Globo em verbas publicitárias recebidas. Segundo as análises por trimestre, essa é a primeira vez que isso acontece em pelo menos dois anos.

 

Em 2017 e 2018 a Globo estava liderando isolada a lista de verba recebida, enquanto Record e SBT disputavam o segundo lugar.

 

Em 2017, a Globo recebeu R$ 6,9 milhões; SBT recebeu R$ 1,34; Record ficou em terceiro, com R$ 1,21 milhão. Em 2018, a Globo continuou mantendo a vantagem, ao receber R$ 5,93 milhões. A Record faturou R$ 1,308 milhão e o SBT recebeu R$ 1,1 milhão.

 

Houve quebra do padrão em 2019, quando a Record assumiu a liderança ao receber R$ 10,3 milhões. SBT faturou R$ 7,3 milhões, deixando a Globo em último com R$ 7,07 milhões. Em comparação com 2018, o crescimento da verba publicitária da Record no primeiro trimestre de 2019 foi de 659%.

 

A Rede Record tem ligação com a Igreja Universal do Reino de Deus, comandada pelo bispo Edir Macedo. Macedo declarou apoio à candidatura de Bolsonaro em setembro do ano passado, durante a corrida presidencial. Desde que chegou ao Planalto, Bolsonaro já concedeu duas entrevistas exclusivas à Record.

 

O crescimento do SBT também foi significativo: entre 2018 e 2019, houve um aumento de 511% nas verbas recebidas. Embora tenha perdido a dianteira, a Globo também registrou crescimento de 19%.

 

A assessoria de imprensa do Palácio do Planalto afirmou à reportagem da UOL que os pagamentos feitos em 2019 não têm relação com ações determinadas por Bolsonaro.

 

“Primeiramente, é necessário esclarecer que os valores indicados pelo jornalista se referem aos pagamentos realizados pela veiculação de campanhas publicitárias autorizadas e executadas em anos anteriores, e, portanto, sem relação com os investimentos previstos para a publicidade em 2019”, disse.

 

Segundo a assessoria, a estimativa de gasto da Secom para todo o ano é de R$ 100 milhões – foram gastos, até agora, R$ 75,5 milhões. Sobre o aumento no volume de repasses para Record e SBT, o órgão disse que “os pagamentos são feitos após a comprovação da veiculação e que eles são feitos por ordem cronológica”.

 

Fonte: UOL / Via O Povo

Comentários